Minha lista de blogs

Seguidores

Tecnologia do Blogger.

Visitantes

P.A Entrevista #16 -Daniela Marques

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

P.A Entrevista esta hoje focado em um tema muito importante na nossa sociedade: casamento. Para o assunto a entrevista será com Daniela Marques, criadora dos Blogs "Salve o meu casamento" e  "Educando na contramão". Daniela é cristã, casada a 13 anos, mãe de dois filhos e é também Psicóloga e Psicanalista em formação, trabalhando a mais de cinco anos com aconselhamento familiar.



1-) Como surgiu a ideia do Blog Salve o meu casamento?
Comecei bem despretensiosa há cerca de sete anos escrevendo artigos relacionados a área da educação em maternidade. Muitas mães acabaram se identificando com os meus relatos e passaram a me enviar mensagens com perguntas, dúvidas e desabafos. Aos poucos fui percebendo que na grande maioria dos casos, por trás dos problemas colocados estavam na verdade os problemas conjugais, ou seja, antes de trabalhar com os filhos era preciso trabalhar o relacionamento dos pais. E como muitas mulheres passaram a compartilhar comigo as suas angustias, frustrações e dificuldades na área sexual, achei que seria útil um Blog com o tema "relacionamento a dois". Sempre me interessei por essa área e já lia muito a respeito, então a criação do Blog "Salve o meu casamento" foi apenas uma consequência do que já estava vivo aqui dentro, apenas externalizei. Mas confesso que não imaginava a repercussão e o alcance que teria. Com esse trabalho despertei para uma realidade assustadora. Descobri, que através de centenas de depoimentos, como os casais estavam adoecidos na área sexual, o que me motivou a continuar escrevendo. Os muitos casos verídicos colocados ali tem ajudado os casais frustrados e cansados, que acabam se identificando e encontrando nas mensagens forças para continuar caminhando.

2-) Quais são os principais inimigos de um casamento saudável?
Na minha visão os três grandes inimigos de qualquer relacionamento são: a falta de diálogo, a falta de humildade e a falta de perdão. Sempre falo para os meus filhos que até os piores problemas podem ser resolvidos através do diálogo, reconhecimento do erro e perdão. Se uma das partes não é capaz de admitir suas falhas e ser humilde para pedir perdão, a caminhada torna-se insuportável, para não dizer impossível. Digo o mesmo em relação ao diálogo. Um casal que não dialoga sobre seus conflitos, angustias, emoções, sonhos, planos e não se dispõe a escutar um ao outro com empatia, fica estagnado e tem grandes chances de colocar tudo a perder. Entrar no casamento já consciente disso já é um grande passo.

3-) Quais dicas você daria para manter o casamento sempre pegando fogo?
No meu ponto de vista não existe pegar fogo em 100% do tempo na realidade do casamento, isso é utopia. É natural, que na época da paixão, no inicio do relacionamento, o desejo sexual seja mais frequente e intenso, mas a rotina e conveniência acabam diminuindo a intensidade dessa chama. E é importante frisar que não é ruim, é o fluxo natural das coisas. No geral os homens estão sempre mais desejosos e dispostos. As mulheres por terem uma fisiologia diferente, acabam sentindo uma necessidade menor, por isso parecem menos pró ativas nessa área. Mas para que isso não seja um fator negativo e que venha de alguma forma prejudicar a relação, recomendo sempre o diálogo aberto quando o assunto é sexo. Outro detalhe importante é saber que não existe vida sexual ideal padronizada. Para alguns casais o sexo papai e mamãe uma vez por semana é mais do que suficiente. O importante é saber respeitar os limites de cada um e abrir espaço para o diálogo. Trabalhar para satisfazer o seu parceiro, enxergando isso como uma forma de obtenção de prazer(e não sacrifico), no meu ponto de vista faz muito sentido. Achar que o casamento bom é aquele que pega fogo em 100% do tempo é abrir caminho para a frustração, é correr atrás do vento. Os que acreditam assim são aqueles que vivem trocando de relacionamento ou buscando prazer fora, pois associam o amor ao "fogo da paixão", um erro bastante comum.

4-) Por que vale a pena casar?
O casamento é a relação mais intima que um ser humano pode ter. Nem a relação mãe e filho pode proporcionar tanta intimidade como a relação marido e mulher. No casamento é onde você tem a oportunidade de conhecer e ser conhecido na sua intimidade, no mais profundo do seu ser. E isso, se vivido honestamente, gera maturidade e nos transforma como seres humanos. Estar casado é decidir construir a sua historia de vida com outra pessoa, é dividir a mochila e carregar juntos. Não é uma caminhada fácil, pelo contrário, é desafiadora, mas creio ser esta uma das experiências de vida que mais nos fazem crescer e desenvolver. Estar casado é ter alguém para te levantar quando você cai no fundo do poço e alguém para voar contigo nos momentos mais sublimes. É um caminho cheios de altos e baixos, mas que vale a pena ser trilhado. As oportunidades de aprendizado são infinitas, uma experiência deliciosa e única.

5-) Quais dicas você daria para um casal que acabou de se casar?
Não acredito muito em regras prontas e manuais quando se trata de ser humano, mas acho que um bom caminho para quem esta entrando nesse mundo é não criar grandes expectativas. Em qualquer área da vida quanto mais criamos expectativas, mais nos decepcionamos. O fato é que na vida real não existem príncipes encantados e nem princesas Disney. Estar consciente disso já é um grande passo. Um segundo caminho é sempre se lembrar de não esquecer que seu cônjuge é único. tem personalidade própria, foi criado em ambiente diferente e por isso terá manias e comportamentos diferentes dos seus, e ser diferente não significa estar errado. E sua missão nessa jornada não é trabalhar para que ele entre no seu formato ideal e se comporte a sua maneira. Trilhem o caminho do diálogo, não tenham medo de reconhecer suas fraquezas, admitir os erros, recomeçar e ceder quando necessário. Dessa forma a transformação virá naturalmente. No meu ponto de vista felicidade não se encontra, se conquista. E encontrar felicidade no relacionamento a dois exige muito esforço, persistência e paciência, pois casamento não vem pronto, é uma obra de arte que leva uma vida inteira para ser construída.








O colega chato

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Flavio termina mais um dia de trabalho, na vida louca de São Paulo ele não vê a hora de chegar em casa. Sim, quem trabalha pegando Trem, Metro e Ônibus não vê a hora de chegar em casa, comer a sua comida e ir dormir. Mas Flavio estava preocupado, pois a sua viagem tão sossegada de volta esta comprometida, já que fazia duas semanas que ele conheceu Caio, o mais novo funcionário da empresa. Até ai tudo bem, cara novo, empolgado, com vontade de trabalhar. O único problema é que ele morava perto de Flavio, o que significa que ele iria acompanhá-lo por toda a viagem. Acabou o fone de ouvido e suas musicas, acabou os pensamentos na vida durante o caminho. Por que? Ah, o tal Caio não cala a boca, fala o caminho todo, assuntos chatos ou no momento errado.

Flavio se levanta da cadeira e até tenta sair correndo e ir na frente dele, mas pegaria mal, ele ficaria mal falado até entre os outros. Preocupante? Nem tanto, mas melhor evitar. Flavio também pensou em ficar um tempo a mais, inventar uma desculpa e ir sozinho depois. Mas não valeria a pena, chegaria mais tarde, perderia as conversas com a esposa que já estaria com sono e pronta para dormir, perderia as noites de futebol de quarta. Quem trouxe esse cara? Precisava morar perto de casa? Pior, precisava falar tanto? Durante o caminho Caio falava do futebol, falava do trabalho, falava da família, falava dos amigos, falava, falava, falava tanto que acho que até você mesmo já cansou também.


Não tinha jeito, Flavio tinha que enfrentar o camarada chato. Foi só se levantar da cadeira que Caio já estava ali esperando por ele com aquele sorriso no rosto de fim de expediente. Mas quem consegue sorrir assim depois de um dia de trabalho? E ainda tem assunto para mais uma hora de viagem. Flavio foi para o Ônibus e Caio já começava a falar sobre como tinha sido o seu dia.

- Nossa cara, hoje o dia foi Punk, atendi cada ligação.

- É, que coisa - respondia Flavio sem ânimo, pensando no livro que não poderia ler no Metrô.

- E seu time em Flavio, esse ano vai.

-É, vai sim. Tem que ganhar.

E durante o caminho até entrar no Metrô, vinha mais bla, bla, bla. Flavio pensava em maneiras de acabar com aquela tortura, mas não queria ser desagradável com Caio, então fazia cara de paisagem fingindo que estava gostando da conversa. Flavio gostava de conversar, gostava de ter amigos, mas não gostava de gente chata, de gente grudenta. Assim era Caio. Seria carência o problema dele? Falta de ter com quem conversar? Difícil achar uma resposta.

- E ai Flavio como foi seu dia la no seu setor?

Sério que ele quer saber isso? Pensava Flavio. Depois de uma resposta seca a conversa continuava. Se é que podemos chamar de conversa quando apenas uma pessoa fala.

- Nossa hoje o Metrô esta devagar em. Deve ter acontecido alguma coisa em outra estação.

Cala a boca Caio, cala a boca. Os pensamentos de Flavio contra aquela situação não parava, e não ter o que fazer piorava a situação. O pior era pensar que seria assim todos os dias. Flavio então criou coragem, abriu a sua mochila e pegou um livro para ler. Dessa vez não se importou se Caio ficaria ofendido, ele só queria poder ter prazer no retorno para casa. Abriu o livro e começou a ler. Parecia ter funcionado, Caio ficou quieto por cinco minutos, mas deve ter ficado muito agoniado, inquieto pelo silêncio e então veio a falar.

- Nossa cara que livro legal. Mario Sergio Cortella? Já te falei das palestras que assisti dele? E os videos do You tube? Já assistiu?

Não teve jeito, Caio falou o caminho inteiro, ele sempre arrumava assunto, não se importava se você queria ficar quieto, ele queria falar e falar. Flavio desceu para poder ir embora para casa, sem conseguir ler o livro, sem conseguir ouvir seu podcast favorito. Agora é esperar o dia de amanhã e tentar aguentar mais um dia do lado do seu colega chato.

5 melhores narradores do Brasil

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Narrar eventos esportivos é uma arte, onde o narrador tem a função de transmitir emoções para o público. Quem não se emocionou com o Galvão Bueno no Tetra do Brasil? Pois é, o narrador precisa transmitir sentimentos, fazer aquele evento ser um marco na vida daqueles que assistem. O Brasil sempre foi um referencial de narradores, pois a grande maioria deles cumpre muito bem a sua função. Vamos ver quais são os cinco melhores do Brasil hoje:

1- Milton Leite


Como não dar risadas e curti a narração de Milton Leite na Sportv? O cara tem frases ótimas como "que fase", usado quando o jogador faz uma jogada ruim. É muito legal a narração dele porque ele se envolve com o jogo, falando de detalhes dos bastidores com muito humor. Uma narração épica dele foi no retorno de Ronaldo jogando pelo Corinthians onde ele narrou o fato com muita emoção.

2- Galvão Bueno


Sim eu sou nostálgico, Galvão para mim é um dos maiores narradores do país. Concordo que hoje ele esta meio enferrujado e fala muita besteira, mas ele tem bagagem e muita história no mundo do esporte. Me lembro como se fosse ontem dele narrando o tetra da seleção brasileira, das corridas emocionantes do Ayrton Senna e até mesmo de grandes clássicos do futebol brasileiro.

3- Rômulo Mendonça


Rômulo ganhou a galera nessas Olimpíadas ao narrar os jogod e vôlei com muita irreverencia e empolgação que levaram o publico a dar muitas risadas. Mas para quem acompanha a ESPN a um bom tempo sabe que ele manda muito bem nos jogos da NBA. Frases como "macho alfa", "me engravida Stephen Curry" e "cruel" são apenas algumas de seu arsenal muito rico de frases.

4- José Silverio


Eis uma lenda do futebol de Rádio. José Silverio é muito bom na arte de transmitir emoções, ainda mais pelas ondas do Rádio. O cara narrou muitos jogos históricos em sua carreira e tem muito respeito de seus colegas de profissão. Uma lenda entre os narradores, ele ainda segue na ativa em seu trabalho e muito bem por sinal.

5- Téo José


Mais um ótimo narrador da nova geração, que é especialista não apenas em futebol, mas também em corridas de automobilismo. Téo é empolgante e preciso em suas narrações. Já vimos ele dando show em narrações tanto do campeonato brasileiro como também em jogos de futebol internacional. Além disso ele aguenta os comentários do Neto ao seu lado.







Vamos falar sobre Nostalgia

sábado, 19 de novembro de 2016

Nostalgia é um negocio meio estranho, tem dias que você acorda pensando em coisas que já aconteceram e fica feliz. Tem dias que você se lembra daquela viagem com os amigos e não vê a hora de ter outra daquelas. Aquelas risadas, aqueles bons momentos, como é bom revivê-los. Dizem que uma pessoa não pode voltar no tempo, mas acredito que através da nossas lembranças podemos sim reviver bons momentos. A isso damos o nome de nostalgia. Sabe quando passa aquele filme antigo ou desenho que você gostava e você se lembra de boas lembranças? Pois é, isso é nostalgia. As vezes me lembro de bons momentos de minha infância o me lembrar de desenhos como Cavaleiros do zodiaco e Yu Yu Hakusho. Das minhas manhãs em frente da televisão curtindo aqueles bons momentos. Tempo bom de ter vivido, tempo bom de ser lembrado.

Quando escuto músicas dos anos 80 eu me lembro dos tempos na casa da minha avó, quando meu tio que ainda era cabeludo curtia o bom e velho Rock n' Roll. Eu me gabava por contar na escola que eu tinha uma ótima bagagem musical e conhecia muita musica boa. Não deixamos de gostar daquelas boas musicas, mas aos poucos deixamos de ouvi-la, mas de vez em quando eu entro nessa porta nostálgica para poder voltar no tempo. E o que dizer de ver fotos? É muito bom, pois vendo aqueles momentos parece que estou ali novamente. Eu sou uma pessoa nostálgica, gosto de me lembrar dos tempos de escola, dos tempos com meus primos, dos tempos de risadas com amigos, até mesmo dos micos e vergonhas que já passei. Gosto de conhecer historias, ler biografias, conhecer pessoas e suas vidas. Poxa, como é bom viver e relembrar bons momentos.


É ruim ser nostálgico? Não, mas não é bom viver só ali naquele tempo, se não como você vai viver os novos momentos. Nostalgia são para momentos específicos, para dar uma passada, uma olhada e depois voltar ao presente. É o que digo, só constrói nostalgia quem vive o bom presente. Esses dias eu estava conversando com amigos que estudei na sétima série e eles estragaram a minha nostalgia. Não são mais os mesmos, as conversas são outras, se tornaram pessoas que eu não queria ter por perto. Pois é, o tempo passa, o bom memento passou e o jogo segue. Mas e aquele tempo que vivi com eles? Foi bom e as vezes é bom lembrar, da uma baita saudade. E as viagens? Como é bom lembrar delas em momentos que você não esta legal. As vezes me lembro de minhas viagens, aquela praia de Maceió, as piscinas de Caldas novas, a beleza de Campos de Jordão e uau, o momento muda, a alegria aparece e eu sigo em frente.

Não seja um refém da nostalgia, mas de vez em quando de uma passadinha nos bons momentos, é bom para você se lembrar de que coisas boas acontecem sim, pois você já viveu elas. Boas musicas, boas festas, bons amigos, boas situações merecem uma repetição, merecem que você as viva novamente, para dar um gás em você e produzir a fome por novos bons momentos. E sobre aquele papo de viagens no tempo, bem, não é assim tão difícil, não quando você tem a nostalgia com você.

Diários roubados - Diário de um ansioso

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Diário vou ser rápido, estou meio preocupado. Eu estou aqui escrevendo mas a noite tenho prova na faculdade e a minha mente não esta parando quieta. Diário tenho tantas coisas para te contar, tantas informações que não consigo nem mesmo processar na minha cabeça. Eu já te falei daquela pessoa que eu gosto? Mas não sei se ela gosta de mim e estou ansioso pela resposta dela. E a prova? Ai, é hoje a noite, to com medo. Diário e no trabalho as coisas estão terríveis, são tantas pressões, tantas cobranças que não aguento mais, estou achando que vão me mandar embora. E essas contas para pagar? São muitas, não estou conseguindo administrar o meu dinheiro e acho que meu nome vai sujar. A minha mente ta me deixando doido meu caro Diário.


Já te contei como esta sendo as minhas noites de sono? Fico pensando em milhares de situações que eu acho que nem irão acontecer. Esses dias eu imaginei que ia repetir na faculdade, mas as minhas notas são boas. Como posso pensar em uma coisa dessas? Minha terapeuta fala que é Pré ocupação o que tenho. Me preocupo com coisas que nem vão acontecer. Isso é meio doido, mas é difícil de processar. Remédios para dormir? Já usei alguns, mas fico mais preocupado em tomá-los que prefiro ficar sem eles. A minha mente parece uma arma contra mim. Mas deixa para la, a gente se entende e no fim do dia tudo fica bem. Foi até bom escrever em você hoje Diário, me deixou um pouco mais calmo. Mas hoje ainda tem aquele prova mais tarde. Socorro!

P.A Entrevista #15 - Rodrigo Koala

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Você gosta de musica? Pois essa semana a entrevista é com Rodrigo Koala, o guitarrista e vocalista da banda Hateen, que iniciou as sua carreira musical cantando em inglês e depois alcançou sucesso nacional cantando suas musicas em português. Rodrigo já foi também guitarrista da banda Street Bulldogs. Além disso Rodrigo é compositor de famosas canções de bandas como CPM 22, Ira e Gloria. 


1-) Como foi que surgiu o Hateen?
O Hateen surgiu na zona leste de São Paulo em 1994, através de um amigo em comum, o Bóris Frotogiani, que me apresentou para o Japinha e para o Cesinha Santisteban, que já eram seus amigos e estavam querendo montar uma banda. Depois disso muita historia acabou rolando, e inclusive o Bóris chegou a tocar algum tempo com a gente.

2-) Quais as grandes dificuldades de ter uma banda de Rock?
Todas, heheheehe. Hoje mais do que nunca, tempo. Ter o mesmo tempo que tínhamos quando começamos para nos dedicar a banda, e também podermos nos dedicar as "agruras" da vida adulta como trabalho, filhos, etc. É uma eterna luta por tempo, dinheiro, maneiras de realizar seu trabalho. Ainda mais de uma forma independente, sem gravadora, sem produtores. Tudo tem que sair do nosso bolso, sejam gravações, clipes, etc.

3-) Como você enxerga o cenário musical no Brasil hoje?
Existem muitas bandas excelentes surgindo e na ativa, porém também existe uma enxurrada de bandas querendo apenas o conforto dos holofotes, sem ter trabalho, ou sem sequer produzir a sua música. Algumas bandas não entendem o conceito do "faça você mesmo" e ficam o tempo apenas reclamando da situação, quando poderiam estar se unindo á outras bandas iniciantes e tomando a frente de produzir shows, festivais, etc. O Rock em geral passa por um momento de pouca exposição na mídia, e isso acaba afetando os shows, pois a mulecada esta indo em bailes de funk e outros estilos que estão em evidência. Porém o público do Rock é fiel, mas muitos hoje preferem ficar em casa ouvindo e vendo tudo pela internet. Estamos vivendo uma mudança no padrão de comportamento do público, das pessoas em geral.

4-) Por que o Hateen deixou de cantar em inglês para passar a cantar em português?
Por que existia a possibilidade de passar uma mensagem de forma que ela fosse recebida por todos e não apenas por quem falasse inglês. Queríamos que as pessoas pudessem sentir de imediato, sem ter que traduzir ou pesquisar sobre as nossas letras.

5-) Quais são as suas inspirações no processo de escrever músicas?
Tudo me inspira. A vida inspira o tempo todo. Tem que ter um olhar voltado para a criação e composição que esteja atento a tudo que te rodeia. Momentos em família, filmes, imagens que vivencia ou apenas imagina. Compor é um exercício de paciência e atenção. Tem que ter disciplina para se concentrar e escrever algo que seja relevante e não apenas rime ou soe bem. Se conseguir unir tudo isso, missão cumprida. 

O carro atolou! E agora?

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Pedro e Julia estavam passeando pelas praias de Maceió, tudo estava correndo bem, mas como não estaria? Pensava Pedro. Eles estavam em lua de mel, estavam longe da vida corrida de São Paulo e agora no nordeste brasileiro queriam curtir cada minuto da viagem. Para isso eles alugaram um carro e visitavam cada praia da cidade. Quem olhava de longe logo percebiam que esse casal era novidade no mundo dos casados, pois irradiavam alegria e amor. A viagem era só sorrisos, alegria e felicidade. O mundo podia acabar ali, os minutos poderiam congelar que ele não se importariam.

Julia então olhando o mapa da cidade viu que tinha uma praia bastante distante, quase na ponta da cidade, chamada São Miguel dos milagres. Tudo estava certo, os dois concordaram, era lua de mel e valia tudo. Mas por dentro Pedro não estava tão a fim de dirigir por tanto tempo, pois eram três horas de viagem em um calor escaldante. 


Durante a viagem musica tocando no carro, conversas sobre a vida e de repente uma estrada que variava entre curvas perigosas e retas que não tinham mais fim. Julia começava a dormir, pois para ela viajar tinha o sinônimo de dormir. Pedro não queria deixar ela dormir e então continuava puxando assunto até chegarem naquela praia que era muito bonita, então Pedro logo queria mostrar que conhecia de livros.

-Nossa Julia essa praia parece aquelas dos livros de Jorge Amado.

-Ah parece? - Julia não tinha a mesma percepção, pois não tinha lido o livro.

-Nossa Julia que praia bonita, realmente valeu a pena toda a viagem e todo aquele calor no carro

-Nossa é mesmo, e não tem quase ninguém aqui.

Realmente, a praia era bem distante da cidade, parecendo uma praia deserta no meio do nada. De um lado havia pescadores, do outro uma lanchonete onde tudo que se vendia era bem barato, de fritas a refrigerante. Estavam muito bem naquele local, com toda a certeza. Mas como tudo o que começa tem o seu fim, chegava a hora de ir embora. Os moradores ensinaram para os dois um caminho onde poderiam ver a ponta da praia e Pedro bastante seguro resolveu ir por ele.


Enquanto olhavam a bela vista que tinham, Pedro entrou por um caminho errado e foi parar com o carro bem na areia da praia, a poucos metros do mar. O carro atolou, e ao tentar sair o carro atolou ainda mais. Bateu desespero nos dois, o mar poderia levar o carro embora e começariam o casamento com uma bela divida. Pedro sabia que acelerar o carro iria piorar a situação, então resolveu sair atras de alguém para ajudar, enquanto Julia ficava no carro para não deixá-lo ali abandonado

Depois de andar alguns metros Pedro encontrou uma família moradora naquele local a muitos anos e acostumada com a desatenção dos turistas.

-Oi, sera que vocês poderiam ajudar a gente a desatolar o carro ali na praia? - disse Pedro com receio.

- Ah o carro atolou? - disse um dos moradores - Vish meu filho, aqui é normal, todo mundo atola ali.

Um alívio bateu em Pedro, pois não era o primeiro a atolar um carro e pelo menos teria solução. Para a alegria de Pedro e Julia aquela família estava preparada e sabia o que estava fazendo. Três homens com varias tabuas colocaram elas embaixo de cada roda e Pedro começou acelerar o carro, e assim conseguiu sair dali do buraco e salvar o carro alugado. Ao olhar para o mar Pedro agradeceu pela maré não ter subido e estragado a lua de mel. Pedro e Julia agradeceram aquela família e seguiram a viagem de volta aliviados e prontos para continuar aquela viagem de lua de mel.

5 Podcasts para você ouvir

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Podcasts são uma ótima maneira de você adquirir conhecimento e aumentar o seu repertório de informações. Para quem não sabe, Podcast é uma mídia de som como se fosse um programa de rádio, onde os participantes do programa falam sobre um determinado tema. Existem Podcasts dos mais variados assuntos, seja de Entretenimento, esportes ou politica. Hoje vou indicar cinco Podcast muito bons para se ouvir:

1- Líder cast


Esse podcast é muito bom, onde temos o apresentador Luciano Pires falando sobre empreendedorismo e liderança. A cada episódio ele convida um novo entrevistado, onde eles falam sobre mercado de trabalho, como alcançar e desenvolver o seu potencial. Realmente vale muito a pena ouvir, pois você termina cada episódio com desejo de evoluir e avançar.

2- Mamilos


Que tal um podcast feito por duas mulheres que tratam de assuntos da nossa sociedade e cultura a cada semana? Pois é, é disso que se trata esse Podcast. A cada semana é tratado de assuntos mais relevantes que ocorreram na semana, e uma vez por mês elas falam de assunto especifico. Elas já falaram de política, religião, Guerras e tantos outros assuntos. O lema nesse podcast é o respeito e a discussão saudável

3- Meu time de botão


Gosta de futebol? Se emociona com os times do passado? Então esse Podcast é feito para você. A cada semana Leandro Iamim, que já foi entrevistado em nosso Blog no P.A entrevista relembra de um grande time do passado. Tem episódios sobre o Palmeiras de 96, a democracia corintiana, a seleção feminina de futebol, times europeus que marcaram época. Sem dúvida esse Podcast nos leva a um grande sentimento de nostalgia.

4- O nome disso é mundo


Esse Podcast é para aqueles que gostam de viajar ou de saber um pouco mais sobre outros países. Imagine você conversar com alguém que já viajou pela América do sul, com um brasileiro que mora na Ásia ou na Europa. É isso que esse Podcast proporciona, com entrevistas realizadas por Filipe Teixeira( já entrevistamos no P.A entrevista), onde toda semana ele conversa com um brasileiro que mora fora do país, ou com um brasileiro que já morou em várias cidades do Brasil.

5- BT Cast


Esse é um Podcast de Teologia, onde os participantes falam sobre assuntos da Bíblia, discutem sobre curiosidades religiosas e trazem um grande conhecimento teológico para aqueles que escutam. Além disso, os programas são recheados de muito humor e descontração. Entre seus episódios eles já gravaram sobre os 10 mandamentos, os 7 pecados capitais e heróis da fé.





Grandes historias do futebol do passado - parte 1

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

O futebol nos anos 90 era bem diferente daquele que temos hoje, pois os jogadores eram mais verdadeiros, falavam aquilo que pensavam, brigavam com treinador. Tinham a fama de Bad boys, de viverem na bagunça, mas no final de semana cumpriam o seu papel e faziam vários gols. Hoje em dia vivemos a geração "selfie", com jogadores sempre blindados por empresários, com medo de dar entrevistas, interpretando o personagem que a mídia determina. Hoje você conta nos dedos aqueles que são polêmicos hoje em dia. Nessa série do Blog iremos relembrar algumas hist´rias marcantes do futebol anos 90:

1-) Edmundo deixa a Fiorentina para ir no Carnaval do Rio


A Fiorentina era líder do campeonato italiano, e então teria uma sequência de jogos importantes para seguir na ponta da tabela. Edmundo não estava muito preocupado e pediu dias de folga para ir no Carnaval do Rio de janeiro. Os jogadores como Rui Costa e Batistuta ficaram bravos, mas mesmo assim o animal foi liberado para a festa. Resultado? A Fiorentina perdeu os jogos, perdeu a liderança e Edmundo foi alvo de criticas da torcida e jogadores. Poxa mas para que tanta polêmica? Edmundo só queria se divertir, rs.

2-) Vampeta e os Bambis


Vampeta como sabemos é um cara polêmico e engraçado, um cara que não escondia nada, dizia o que queria e não se preocupava com as críticas. Em uma época em que São Paulo e Corinthians faziam jogos decisivos o volante do Corinthians disse em entrevista no maior tom de brincadeira que os são paulinos eram Bambis, ou seja, tudo afeminado. Isso colocou ainda mais fogo na rivalidade entre os times.

3-) Embaixadinhas do Edilson


Final do campeonato Paulista e Morumbi lotado para o clássico entre Corinthians e Palmeiras. Em jogo acirrado e muito catimbado o Corinthians ia vencendo a partida quando de repente o atacante Edilson resolveu fazer embaixadinhas e assim causou revolta nos palmeirenses. Paulo Nunes foi para cima dele e o circo fechou, briga generalizada entre os jogadores e o jogo foi encerrado. Um jogo que de fato ficou para a historia por sua polêmica.

4-) As comemorações de Paulo Nunes


Hoje em dia se um jogador fizer um gol tem que tomar cuidado até para comemorar. Não pode tirar a camisa, não pode enviar mensagens, não pode fazer quase nada. Mas nos anos 90 podia tudo, e Paulo Nunes sabia como comemorar. Jogando pelo Palmeiras ele resolver colocar mascaras a cada gol marcado. Ele já usou mascara de porco, mascara da feiticeira, da Tiazinha, do Mister M e várias outras. Um jogador irreverente, que sabia se divertir e divertir a torcida.

5-) Brigas entre Romário e Edmundo


Sem dúvidas esses dois craques foram os mais polêmicos dos anos 90, e sim, ele já brigaram. Os dois atacantes eram muito amigos, formaram o ataque dos sonhos frustrados no Flamengo e depois vieram a se encontrar no Vasco, onde tiveram uma briga bizarra. Edmundo se sentiu diminuído pela presença de Romário, perdendo a faixa de capitão e foi para a imprensa desabafar chamando ele de príncipe. Romário não deixou barato e chamou Edmundo de bobo da corte. Tempos bons e engraçados esses vividos nos anos 90.





 

Blogger news

Blogroll

Most Reading